Soledad Coronada

A Virgem da Solidão é a Padroeira da cidade de Badajoza ermida situada em pleno centro da cidade de Badajoz dá nome à praça em que está situada.

Primeira Ermida:

Esta ermida foi construída em duas épocas diferentes. A primeira, no ano de 1664 e foi o promotor Francisco de Tutaville e Tufo, Duque de San German e Capitão-General da Estremadura, para abrigar a imagem da Virgem da Solidão, que o próprio duque responsável, em 1660 a um escultor napolitano.

A espanha deu o nome à praça anexa e estava situada nos terrenos adjacentes, que hoje ocupa o edifício Da torre Giralda, mas porque os irreparáveis danos que sofreu na Guerra da Independência, houve que derruirla para construir um novo templo durante o primeiro terço do século XX, no lugar onde se encontra atualmente.

Segunda Ermida:

A inauguração da nova capela teve lugar a 17 de julho de 1935. Nesse dia, levou a imagem da Virgem da Solidão, que estava guardada na Catedral, em procissão, até o seu novo templo. Desde então, esta ermida é um marco religioso e de oração contínua para a sociedade pacense, já que a Senhora é a Padroeira de Badajoz, ainda mais se se tem em conta que a porta exterior tem duas grandes janelas envidraçadas de maneira que, quem por lá circule ou deseja visitar a Virgem, a qualquer hora, você pode vê-la perfeitamente, do exterior, se o templo fosse fechado.

Distribuição:

Seu interior tem dois andares: no inferior, mais antiga e ornamentada, preside o altar-mor a imagem da Virgem da Solidão, que é uma Madonna italiana do século XVII. O teto plano está painéis. A parte superior, também de grande beleza, foi financiada pela família Olleros, a sua decoração é de estilo bizantino, e é uma réplica do salão do trono do rei Luís II, O Louco da Baviera

Queremos agradecer a partir de Hestía a Irmandade da Solidão  a sua colaboração e apoio no desenvolvimento de todo o projeto.